Nutrição Integrativa

com Taisi Duarte

Benefícios da Dieta do Mediterrâneo nas doenças neurológicas.

A dieta do Mediterrâneo tem sido amplamente reconhecida como uma das opções mais saudáveis e equilibradas em todo o mundo. Esta abordagem à alimentação não apenas promove uma vida mais saudável, mas também demonstrou ter benefícios notáveis na prevenção e no tratamento de várias doenças neurológicas.

O que é a Dieta do Mediterrâneo?

A dieta do Mediterrâneo é uma forma de alimentação tradicionalmente seguida em países da região do Mediterrâneo, como Grécia, Itália, Espanha e partes do Oriente Médio. Ela é caracterizada por uma ingestão elevada de alimentos frescos, como frutas, vegetais, legumes, nozes e azeite de oliva, bem como uma moderação no consumo de proteína animal. O consumo de proteína animal é principalmente de peixe e aves. Além disso, a dieta inclui uma quantidade moderada de laticínios, ovos e vinho tinto em pequenas quantidades. E evita o consumo excessivo de carne vermelha, alimentos processados e açúcares refinados.

O destaque da dieta do mediterrâneo é o consumo de frutas, verduras e legumes sempre frescos e bastante azeite de oliva extra virgem. Só isto já combate inflamação e atua como antioxidantes. Quando retira açúcares, alimentos ultra processados, e reduz o consumo de carne vermelha faz ter uma dieta limpa de produtos tóxicos e inflamatórios. Ainda que no mediterrâneo eles consumam pouco de leite e derivados, é preciso se atentar aos intolerantes e alérgicos, mas friso que não é essencial para o bom funcionamento da dieta.

Benefícios da Dieta do Mediterrâneo

A dieta do Mediterrâneo é conhecida por seus inúmeros benefícios à saúde, e esses benefícios se estendem ao sistema neurológico. Aqui estão algumas das vantagens mais notáveis:

  1. Redução do risco de doenças cardiovasculares: A dieta do Mediterrâneo tem sido associada a uma menor incidência de doenças cardiovasculares, como hipertensão e doenças do coração. Esses benefícios cardiovasculares também podem ter impactos positivos no sistema circulatório cerebral. Pois, Acidente Vascular Cerebral (AVC), é uma doença do sistema circulatório cerebral.
  2. Proteção contra a inflamação: A dieta é rica em alimentos anti-inflamatórios, como peixes gordurosos, nozes e azeite de oliva, que ajudam a reduzir a inflamação no corpo e, por consequência, no cérebro. A inflamação crônica está ligada a várias doenças neurológicas.
  3. Fornecimento de antioxidantes: A dieta do Mediterrâneo fornece uma variedade de antioxidantes, como vitaminas C e E, que ajudam a proteger as células cerebrais contra danos causados pelos radicais livres. Isso é particularmente importante na prevenção de distúrbios neurodegenerativos.

Pode parecer pouco, mas as doenças neurológicas mais comuns sempre sofrem de neuroinflamação e neurotoxicidade. O aporte para combater a inflamação e promover detoxcificação eficiente são caminhos essenciais para prevenir, amenizar, e melhorar sintomas das doenças neurológicas. Assim como também pode reduzir carga medicamentosa quando acompanhado por equipe multidisciplinar.

Doenças Neurológicas Beneficiadas pela Dieta do Mediterrâneo

Aqui está alguns exemplos de doenças neurológicas que podem se beneficiar, mas são apenas as mais conhecidas, pois se você ou alguém da sua família está acometido de alguma outra doença neurológica, procure a equipe médica e nutricionista para também se beneficiar da dieta do mediterrâneo.

  1. Doença de Alzheimer: A dieta do Mediterrâneo, com sua ênfase em antioxidantes, ácidos graxos ômega-3 e compostos anti-inflamatórios, pode ajudar a reduzir o risco de desenvolver a doença de Alzheimer. Além disso, ela pode retardar a progressão da doença em pacientes já diagnosticados.
  2. Doença de Parkinson: Embora não haja cura conhecida para a doença de Parkinson, a dieta do Mediterrâneo pode desempenhar um papel na melhoria da qualidade de vida dos pacientes. Os antioxidantes e os ácidos graxos saudáveis podem ajudar a reduzir os sintomas e o progresso da doença.
  3. Esclerose Múltipla: Embora a esclerose múltipla seja uma doença autoimune complexa, manter uma dieta saudável, ajuda a minimizar os surtos e a promover o bem-estar geral. A ingestão adequada de vitamina D também é relevante para pacientes com esclerose múltipla.
  4. Enxaqueca: Embora não seja uma doença neurológica grave, as enxaquecas podem ser debilitantes e principalmente prejudicar a vida social. A dieta do Mediterrâneo, com sua redução no consumo de alimentos inflamatórios, ajuda a reduzir a frequência e a intensidade das enxaquecas em algumas pessoas.
Conclusão

A dieta do Mediterrâneo é mais do que uma simples abordagem à alimentação. É um estilo de vida saudável que oferece uma série de benefícios à saúde, incluindo a proteção e o apoio ao sistema neurológico. Seus componentes ricos em nutrientes, antioxidantes e ácidos graxos saudáveis desempenham um papel vital na prevenção e no tratamento de várias doenças neurológicas. Portanto, considerar a Dieta do Mediterrâneo como uma rotina alimentar é uma escolha sábia para quem busca manter a saúde cerebral ao longo da vida.

Leia mais sobre:

Este conteúdo foi útil? Então compartilhe.

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.