Nutrição Integrativa

com Taisi Duarte

Círculo vicioso: relação entre medicamentos e falta de nutrientes.

Círculo vicioso

O hábito alimentar moderno, baseado em alimentos de fast-food, ultraprocessados e pobre em alimentos in natura, desencadeia déficits nutricionais. Estes levam ao acréscimo do desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis, e para tratar precisa-se de medicamentos, mas estes em uso prolongado causa desequilíbrios nutricionais. Então cria-se um círculo vicioso: desequilíbrios nutricionais que necessitam-se de medicamentos, e estes causam os desequilíbrios nutricionais.

Muitos medicamentos sem necessidade de receita médica também resulta em dificiências nutricionais. Mas o mais agravante é que na maioria das vezes, é poli-farmácia, ou seja, há vários medicamentos afim de um atenuar o efeito colateral do outro. Agravando o quadro de complicações nutricionais e leva-se cada vez mais adentro do círculo vicioso.

Em alguns casos, faz-se necessário a suplementação nutricional afim de compensar a perda pelo uso dos medicamentos de uso contínuo. Mas como citado no início, o ponto de partida é o estilo de alimentação, então mudar o padrão alimentar, adotar um estilo de vida saudável, pode-se fazer com que estes medicamentos não sejam mais necessários.

As doenças crônicas não são reversíveis, até mesmo por isso que cria-se um círculo, como se voltasse sempre ao mesmo lugar. Porém, ao mudar a alimentação e estilo de vida, é possível diminuir a dose de medicações, prolongar o tempo de vida, manter uma qualidade de vida quase que normal e garantir que não ocorra deficiências nutricionais, prevenindo até de ter que aumentar a lista de remédios.

Alguns exemplos:

Aspirina diminui concentrações de ácido fólico, ferro e vitamina C. Antibióticos em geral, além de causar perda da qualidade da microbiota, leva-se a perca do complexo B, vitamina k e minerais. Antivirais causa perda de magnésio. Metformina interfere na absorção da b12. Anti-hipertensivos causam perda de zinco, b6 e magnésio. Estatinas reduzem k2, selênio, vitamina D e coenzima Q10.

Além destes, há quadros muitos graves e agressivos, que se faz necessário acompanhamento de perto. Pois medicação anticâncer, anticonvulsivantes, antiácidos, inibidores de bomba de prótons, bloqueadores da histamina, e reposição hormonal interferem diretamente em algum nutriente, seja na absorção, excreção ou no metabolismo.

Medicações para promover emagrecimento também levam a algum quadro de deficiência nutricional. Os que inibem a absorção de gordura, prejudicam a absorção de vitaminas lipossolúveis, como exemplo temos o Orlistat.

Previna-se com a alimentação

Uma alimentação saudável desempenha um papel fundamental na prevenção de doenças crônicas. Optar por uma dieta equilibrada, rica em frutas, legumes, grãos integrais, proteínas magras e gorduras saudáveis pode ajudar a evitar o desenvolvimento de condições como doenças cardíacas, diabetes tipo 2 e certos tipos de câncer. Consumir uma variedade de alimentos nutritivos proporciona ao corpo os nutrientes essenciais, como vitaminas, minerais e antioxidantes, que fortalecem o sistema imunológico e reduzem a inflamação. Além disso, limitar a ingestão de alimentos processados, ricos em açúcares adicionados, gorduras saturadas e sódio, contribui para a manutenção de um peso saudável e diminui o risco de obesidade, que é um fator de risco para diversas doenças crônicas. A alimentação saudável é uma estratégia poderosa e acessível para promover a saúde e prevenir doenças a longo prazo.

O que são as doenças crônicas

As doenças crônicas são condições de saúde de longa duração que geralmente progridem lentamente ao longo do tempo e têm um impacto significativo na qualidade de vida das pessoas. Ao contrário das doenças agudas, que têm início abrupto e geralmente são resolvidas em um curto período, as doenças crônicas são persistentes e exigem cuidados contínuos. Elas podem ser causadas por diversos fatores, incluindo estilo de vida pouco saudável, fatores genéticos e ambientais. Alguns exemplos comuns de doenças crônicas incluem doenças cardíacas, como hipertensão arterial e doença arterial coronariana; diabetes tipo 2; doenças respiratórias crônicas, como asma e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC); câncer; doenças renais crônicas; doenças neurológicas, como Alzheimer e Parkinson; e doenças autoimunes, como artrite reumatoide e lúpus. O manejo adequado das doenças crônicas requer uma abordagem holística que envolve cuidados médicos, estilo de vida saudável, adesão ao tratamento e monitoramento regular.

Conclusão

Em suma, é preciso cuidar da alimentação e estilo de vida, pra prevenir-se das doenças crônicas, afim de evitar as medicações de uso contínuo. Pois estas levam as deficiências nutricionais e então promove um círculo vicioso, entre medicamentos e nutrientes deficientes.

Leia mais sobre:



Este conteúdo foi útil? Então compartilhe.

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.