Nutrição Integrativa

com Taisi Duarte

Frutose: os malefícios do excesso de xarope de milho nos alimentos industrializados.

doces coloridos que a indústria produz e com isso traz malefícios da frutose.

A indústria alimentícia tem apresentado uma crescente oferta de produtos prontos para consumo que são práticos e saborosos. Entretanto, é importante alertar sobre os malefícios da frutose desses alimentos industrializados que contêm xarope de milho, um adoçante altamente utilizado na produção de diversos produtos. Pois é mais doce e concentrado do que o açúcar, se mistura facilmente aos refrigerantes, prolonga o prazo de validade dos produtos, evita que pratos congelados queimem no freezer e mantém os pães mais macios. Em suma, estão presentes na maioria dos produtos ultraprocessados.

Um dos componentes do xarope de milho que merece nossa atenção é a frutose. A frutose é o açúcar natural encontrado nas frutas, porém, o xarope de milho invertido é chamado erroneamente de frutose. Mas diferentemente da frutose natural, a frutose do xarope de milho em excesso, e em sua forma processada, ela pode causar sérios problemas à saúde.

A frutose da indústria, se consumir em grandes quantidades, gera uma série de problemas de saúde. Estudos científicos têm mostrado que o consumo excessivo de alimentos industrializados ricos em frutose está relacionado ao aumento do risco de desenvolvimento de obesidade, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, aumento da resistência à insulina, diminuição da saciedade, ganho de peso, esteatose hepática, distúrbios de comportamento e até mesmo certos tipos de câncer.

Os principais malefícios da frutose processada

O principal problema da frutose processada presente nos alimentos industrializados é que ela é metabolizada de forma diferente pelo organismo quando comparada à glicose, outro tipo de açúcar. Enquanto várias partes do corpo processa a glicose, o fígado processa a frutose, quase que unicamente. Esse processo leva à produção de ácidos graxos e triglicerídeos, substâncias que, em excesso, podem levar ao acúmulo de gordura no fígado e contribuir para o desenvolvimento da esteatose hepática não alcoólica, uma condição caracterizada pelo acúmulo de gordura no fígado que pode evoluir para cirrose e outras doenças hepáticas graves.

Além disso, a frutose da indústria tem um efeito negativo sobre a regulação do apetite, o que pode levar ao aumento da ingestão calórica e ao ganho de peso. Isso ocorre porque a frutose não estimula a liberação de hormônios de saciedade da mesma forma que outros açúcares, resultando em uma sensação de fome prolongada e em uma maior tendência a comer em excesso.

Não podemos deixar de mencionar que o xarope de milho também está associado a problemas metabólicos, como resistência à insulina e síndrome metabólica. A resistência à insulina ocorre quando as células do corpo não respondem adequadamente à insulina, o hormônio responsável pela regulação dos níveis de açúcar no sangue. Essa condição pode levar ao desenvolvimento de diabetes tipo 2, uma doença crônica que afeta milhões de pessoas em todo o mundo.

A síndrome metabólica, por sua vez, é uma combinação de fatores de risco que aumentam as chances de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como hipertensão arterial, níveis elevados de triglicerídeos e baixos níveis de colesterol HDL, conhecido como colesterol bom. A frutose presente nos alimentos industrializados pode contribuir para o surgimento desses problemas, prejudicando assim a saúde do coração.

Evitar os malefícios da frutose falsa:

Não é atoa que o Guia Alimentar para a população brasileira (leitura obrigatória), recomenda que a base da alimentação deve ser in natura ou minimamente processada, e com a exclusão dos alimentos ultraprocessados.

Optar por uma dieta baseada em alimentos frescos e naturais é a melhor maneira de evitar os efeitos prejudiciais desta falsa frutose. As frutas frescas ao invés de produtos processados, garantem uma ingestão adequada de frutose, uma vez que as frutas também fornecem nutrientes essenciais, fibras e antioxidantes que beneficiam a saúde.

A natureza é sábia. Quando a frutose está naturalmente presente nas frutas, está associada a fibras, minerais e vitaminas, que auxiliam na absorção e boa utilização. Além de ser em quantidade muito menor do que a utilizada pela indústria. Que fique bem claro, que os malefícios citados neste artigo, provém da frutose criada pela indústria. Pois o famoso xarope de milho invertido não tem relação com a frutose natural presente nas frutas.

Além disso, é importante ler atentamente os rótulos dos alimentos. A fim de evitar aqueles que contenham xarope de milho de alta frutose como um dos primeiros ingredientes listados. Essa informação é essencial para fazer escolhas conscientes e evitar o consumo excessivo de frutose adicionada.

É fundamental que a indústria alimentícia esteja comprometida em reduzir o uso de xarope de milho, visando a saúde dos consumidores. Para combater os malefícios dos alimentos industrializados é necessário Incentivar a produção de alimentos mais saudáveis, com menor teor de açúcar e frutose adicionada.

Conclusão

Em suma, a frutose presente nos alimentos industrializados com xarope de milho pode ter consequências negativas para a saúde. Como obesidade, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares e problemas metabólicos. Conscientizar-se sobre esses malefícios e fazer escolhas alimentares mais saudáveis evitam esses problemas. Optar por uma dieta baseada em alimentos frescos, naturais e com menor quantidade de açúcar adicionado é fundamental para garantir uma vida mais saudável.

Leia mais sobre:



Este conteúdo foi útil? Então compartilhe.

Este blog utiliza cookies para garantir uma melhor experiência. Se você continuar assumiremos que você está satisfeito com ele.